25 de mai de 2009

Quarto poema da cega


(Lya Luft)

"Dizem que há veleiros no mar, e posso ouvir
o seu rastro de vozes quando o vento é forte.
Abro as mãos em flor,e jogo dentro deles
cada esperança antiga que me oprime,
cada sonho inútil que me embala.
Sigo seu roteiro claro e tranqüilo,
levando vidas,risos e destinos,
deixando um bálsamo de fresca espuma
na chaga destas pálpebras inúteis
que me prendem,sem asas e sem horizonte,
a esta pedra de onde vai me libertar a morte.
"

Nenhum comentário: