21 de set de 2008

Aviso



Lya Luft

Se me quiseres amar,
terá de ser agora:depois
estarei cansada.
Minha vida foi feita de parceria com a morte:
pertenço um pouco a cada uma,
prá mim sobrou quase nada.

Ponho a máscara do dia,
um rosto cômodo e simples,
e assim garanto a minha sobrevida.

Se me quiseres amar,
terá de ser hoje:
amanhã estarei mudada.






4 comentários:

O Sibarita disse...

Dona moça belo poema!

A Lia Luft mais uma vez nos mostra que o amor, o amar é o aqui e agora! Nunca o depois...

Magistral poema!

bjs
O Sibarita

Etelvina disse...

Estava com saudades.

Lindo esse poema. Essa mulher sabe de tudo sobre nossos sentimentos.

Parabéns por sua escolha.


beijo

O Profeta disse...

Frágil e palpitante luz
A beleza é feita de ternos murmúrios
A voz quebra a quietude do silêncio
A chuva leva a terra ao encontro dos rios

Não há fracassos no sonho
Caminhei nas nuvens para te ver do alto
Abri os braços ao relâmpago
Desci à terra, senti nos pés o frio basalto


Vem comigo escolher o caminho

Boa semana


Mágico beijo

Corações & Segredos disse...

Amiga! Bom ter vc de volta!
Desejo que sua semana seja perfumada como as flores da primavera!
Carinho de RO!