22 de jul de 2008

Eu e minha alma

Não te impressiones.
Mesmo no meu silêncio,
te amo.
Recolhida,
escondida,
nos recessos da alma,
te espio e sorrio
sabendo que tenho
teu coração ao alcance do meu.
Meu olhar derrete...

A certeza do amor.
Nada mais.


Pati K

6 comentários:

Lucia disse...

Pati:

Lindo, menina! Disse tudo.
Beijos, querida

paulo disse...

Linda criança:

Lindo demais. Seus poemas e "trechinhos" são algo fora do comum. Pequeninos, mas cravam no coração.
Pura emoção, puro sentimento.

Carinho

Ivete disse...

Oi menina,
Que lindooooooo!
Nem precisava dizer mais nada mesmo.
Ando meio sem tempo, mas sempre que puder virei aqui me encantar com seus poemas.
Bjsssssss

O Sibarita disse...

É isso o amor! Eita dona moça retada meu Deus!

Sua menina Pati, está divina essa sua poesia, viu? Reveladora... kkk

bjs
O Sibarita

O Sibarita disse...

Ô dona moça, não se pode comentar mais por aqui? kkk Olha não comentei nas postagens acima por não ter como.

Mais registro que os textos estão belos, porém, com seiva de tristeza... Tomara que não!

bjs
O Sibarita

Dois Rios disse...

Pati,

Ai quem me dera poetizar assim como você! Contento-me em catar versos nas réstias dos vagalumes. É o que me cabe.

Na certeza do amor, pra quê o resto, né mesmo?

Lindíssima imagem!

Beijos,
Inês