17 de mar de 2008




*************************************************************************************




Recebi um PPS por email, com suposta Carta de Gabriel Garcia Marques,um texto de despedida lindíssimo que resolvi postar aqui.

Mas ao procurá-lo na internet,vi q havia comentários de q não fosse do autor em questão.

Vou reproduzir o texto,que não deixa de ser belíssimo,com alguns comentários q achei.


********************




Carta aos amigos

Gabriel Garcia Márquez


"Se por um instante Deus se esquecesse de que sou uma marionete de trapo e me presenteasse um fragmento de vida, possivelmente não diria tudo o que penso,mas em definitivo pensaria tudo o que digo.

Daria valor às coisas, não pelo que valem, senão pelo que significam. Dormiria pouco, sonharia mais,entendo que por cada minuto que fechamos os olhos, perdemos sessenta segundos de luz.Andaria quando os demais se detêm, despertaria quando os demais dormem.
Escutaria quando os demais falam, e como desfrutaria um bom sorvete de chocolate!

SeDeus me obsequiasse um fragmento de vida, vestiria simples, me atiraria de bruços ao sol, deixando descoberto, não somente meu corpo, senão minha alma.Deus meu, se eu tivesse um coração, escreveria meu ódio sobre o gelo, esperaria que saísse o sol.
Pintaria com um sonho de Van Gogh ,sobre as estrelas um poema de Benedetti, e uma canção de Serrat seria a serenata que lhes ofereceria à lua. Regaria com minhas lágrimas as rosas, para sentir a dor de seus espinhos, e o encarnado beijo de suas pétalas...
Deus meu, se eu tivesse um fragmento de vida... Não deixaria passar um só dia sem dizer as pessoas que quero, que as quero. Convenceria a cada mulher ou homem de que são meus favoritos e viveria enamorado do amor. Aos homens lhes provaria quão equivocados estão ao pensar que deixam de enamorar-se quando envelhecem, sem saber que envelhecem quando deixam de enamorar-se!

À criança, lhe daria asas,porém lhe deixaria que sozinha aprendesse a voar.
Aos velhos, lhes ensinaria que a morte não chega com a velhice, senão com o esquecimento.

Tantas coisas tenho aprendido de vocês, os homens... Tenho aprendido que todo o mundo quer viver no topo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a escarpa. Tenho aprendido que quando um recém nascido aperta com seu pequeno punho, pela primeira vez, o dedo do pai, o tem apanhado para sempre. Tenho aprendido que um homem só tem o direito de olhar a outro com o olhar baixo quando há de ajudar-lhe a levantar-se.

São tantas coisas as que tenho podido aprender de vocês, porém realmente de muito não haverão de servir, porque quando me guardarem dentro dessa mala, infelizmente estarei morrendo"




******************



A falsa despedida de Gabriel Garcia Márquez
14/Fevereiro/2006
Si por un instante Dios se olvidara de que soy una marioneta de trapo y me regalara un trozo de vida, posiblemente no diría todo lo que pienso, pero en definitiva pensaría todo lo que digo."



Um texto que circula na Internet – uma carta de despedida de Gabriel Garcia Márquez aos seus amigos – é falso. Aquilo que é conhecido pela expressão inglesa hoax. No texto, o escritor afirma sofrer de um cancro linfático e escreve um poema de despedida aos amigos. (Ele nunca escreveu nenhum poema, que eu saiba). Mas aquilo comoveu milhares de pessoas, que inundaram todos os sites e blogues onde foi publicado com profundas manifestações de pesar e carinho pelo escritor.Quem não achou muita graça foi o próprio Garcia Márquez, que leu o poema e comentou: “Mais valia morrer com um cancro linfático do que ter escrito uma carta de despedida daquelas”.A carta é bonita, mas pouco tem a ver com o que já li de Garcia Márquez. É demasiado sentimental, um bocado piegas, até, demasiado adjectivada. Márquez é contido no uso de adjectivos. Foi durante muitos anos jornalista e isso, acredite-se ou não, molda a escrita das pessoas. Uma leitura mais apressada – ainda por cima em castelhano – pode levar algumas pessoas ao engano.O engraçado é que esta brincadeira já tem barbas – e, mesmo assim, voltou a pegar. O texto – o título original é La Marioneta – foi escrito em 1999 e, logo aí, atribuído a Márquez: estava a morrer e aquela era a sua carta de despedida. De facto, nesse ano, o escritor dera entrada num hospital de Bogotá com sintomas que, a princípio, se supunham ser provocados por esgotamento físico mas que, afinal, tinham origem num cancro linfático. Acontece que o escritor reagiu bem aos tratamentos e acabou por sair do hospital em franca recuperação. Continua vivo.Quem foi, afinal, o autor do texto? Segundo o investigador Raúl Trejo Delabre, foi escrito por um ventríloquo mexicano chamado Johnny Welch como parte de um espectáculo da sua marioneta “El Mofles”. Depois foi o que se sabe: alguém terá pensado que uma marioneta não era suficiente…


Enviado por Marco e arquivado na categoria Cromos.




(Não consegui descobrir a autoria do comentário acima,estava num blog português,e o dono do blog,escondido.rssss)




Outro comentário....segundo a "Crônica do falso adeus" de Orlando Maretti, "Gabriel García Márquez, ou Gabo, para os amigos, ... não apenas negou, pela imprensa, que estivesse em estado terminal como também espinafrou a pieguice do texto e seu autor, identificando-o como um subliterato latino-americano. Em recente entrevista ao jornal espanhol El País, o escritor colombiano lamenta a repercussão do texto."
Orlando Maretti acrescenta: "...a primeira pista para duvidar da autoria é a insistência na citação vocativa de Deus. Pelo que se sabe, García Márquez é um escritor de esquerda, simpatizante do marxismo, amigo de Fidel Castro, militante de causas sociais. Enfim, um humanista engajado, mas nem de longe seu perfil lembra um religioso."





De tudo isto vale a máxima...não confie em tudo q lê.Aqui na internet muita coisa é falsa,já vi muitos pps errados,com poemas e autorias erradas,uma pena.Existe um texto,Navegue,de autoria de Silvana Duboc que é atribuído a Luis Fernando Veríssimo e até a Fernando Pessoa.Existe um texto de Paulo Sant'Ana que é atribuido a Vinicius de Morais. Já li Martha Medeiros reclamando de publicarem textos seus sem a devida autoria.

Cuidado,pessoal.Respeitem os autores e se possível,certifiquem-se da autoria dos textos menos conhecidos.Os autores agradecem.








2 comentários:

Sonia Regly disse...

Muito lindo esse texto.Tenho em pps, sensível e maravilhoso, nos convida a refletirmos.Seu blog é simplesmente lindo!!!!! Coloquei uma homenagem a todos que fazem acontecer na net.Apareça por lá, deixe seu comentário.Voltarei outras vezes.
http://compartilhandoasletras.blogspot.com

Sonia Regly disse...

Seu espaço está muito bem estruturado, cheguei até aqui visitando o Blog da rosani.Beijinhos.