15 de ago de 2012

Inquietude


(Emílio Moura)
Em "Itinerário Poético"

"As horas passam, lentas como beijos,
ou rápidas, como setas.


Nem desejo de continuar, nem vontade de parar.
Eu só queria que a minha vida fosse uma página em branco,
sem dizeres que não dizem nada,
porque é sempre a mesma inutilidade,
sempre o mesmo espetáculo.


Mas, o tempo não pára:
As horas passam lentas como beijos,
ou rápidas, como setas."

.


Nenhum comentário: