13 de abr de 2010






(Joaquim Pessoa)

(...)
"Quem ao menos me dera
um punhal que arrancasse de vez esta dor.
Pelas costas do medo. Pelo ventre da espera.
Meu amor quem me dera
um punhal pelo menos.
Ou então uma flor.

No silêncio da espera.

No silêncio da espera
ficaremos de cera.
Perderemos a cor.

Se embarcarmos no sonho
numa nave de pedra
numa onda perdida
no silêncio da espera
num silêncio medonho
perderemos a vida."
(...)


Nenhum comentário: