30 de abr de 2009



(Sophia de Mello Breyer Andresen)



“Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.

A tua beleza aumenta quando estamos sós

E tão fundo intimamente a tua voz

Segue o mais secreto bailar do meu sonho.

Que momentos há em que eu suponho

Seres um milagre criado só para mim.”

2 comentários:

SAPHI*** disse...

Haaaaaaaaaa, isso é muito lindo, adoro tudo sobre o mar.

O Sibarita disse...

Ulálá, da zorra esse poema. Essa Pati é retada mesmo, né não? kkkk

bjs
O Sibarita