23 de mar de 2009

Os amores

(Martha Medeiros)

"Os amores não têm sido eternos nem infinitos enquanto duram, até porque não duram. São rápidos flashes de entusiasmo,são apostas, são ensaios, são tentativas,são experiências para constar do currículo pessoal de cada um.Parecem mais fugas do que encontros.Amores quase perversos em sua instantaneidade, em sua fragilidade, em seu medo. Medo de quê? Sei lá, de vingarem: vá que dê certo. Melhor fazer a fila andar, já que não é fácil administrar um amor. Porém, mais difícil ainda é viver sem ele,e lá se vão todos em busca de beijos a granel e realizações automáticas de desejos, tudo muito aflito, sem norte, sem calma. Onde estão as grandes e verdadeiras paixões?”


Ainda bem que o texto de Martha confirma o que eu sinto e me faz perceber que não sou a única a me incomodar com os amores no mundo de hoje.
A superficialidade faz parte de uma maioria conformista sim,mas alguns conseguem escapar desta saída rasteira.


Pati K



2 comentários:

O Sibarita disse...

Moça! Pois é, onde estão as verdadeiras e grandes paixões de outrora? Paixões arrebatadoras!

Porreta esse texto da Martha!


bjs
O sibarita

Deusa Odoyá disse...

Amiga!!!
Eu também faço a mesma pergunta.
Aonde estão os amores verdadeiros?
Essa Martha escreveu o que todas as mulhres procuram e não acham.
È minha amiga, estamos fritas,kkkkkkkkkkkkkkk.
Beijinhos Paty.
Boa semana.
Regina Coeli.